segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Jogatina


Adoro jogar buraco, aquele que pegamos o bloquinho, colocamos aquela toalha verde na mesa, porta copos, amendoim, alguma bebidinha que evolui até o licor, talco para separar as cartas grudadas da maresia, janelas abertas para ventilar, som de TV ao fundo e brigas.
Quem nunca brigou no jogo de buraco em família? Xingou? Mandou dar as cartas de novo? Contou pontos a mais? Fez canastra de copas com ouros e embaralhou tudo?
Jogar buraco é a arte da confiança. Pois você só pode ser parceiro de quem você confia, de quem você pode mostrar o seu pior lado, aquele lado obscuro e sabe que mesmo assim, vai te amar acima de tudo, pois não é fácil quando as 11 cartas estão em jogo, lá, prontas para serem baixadas no “campo” verde oliva…
As brigas normalmente começam entre duplas:
- Deste jeito você pega o morto e eu seguro as cartas.
- Não pode falar. É jogo falado? É?
- Não, só quer dizer para ela pegar o morto. E pronto.
- Ah! Tá! Vou cair nessa. Até parece que não te conheço, fica aí cantando o jogo. Se vai roubar fala logo que nem começo a jogar.
- Vale trinca?
- Vale.
- De tudo?
- Vale.
- Assim eu que não vou jogar. Fica chato.
- Fica chato é você cantando o jogo.
- Vamos fazer pipoca?
- Vamos.
E a paz voltava à mesa. Com cheirinho e gordura de pipoca.
E hoje, jogando nestes sites de relacionamento, me pego pensando como conseguem chamar estes sites “de relacionamento”? É tão surreal.
Primeiro tem aquele chat que as pessoas se limitam a digitar: bd, bt e bn. Se você faz alguma cagadinha do tipo não comprar uma carta que devia ou algo parecido, é provável que o chat seja usado para te xingar com palavras abreviadas que eu não entendo e por isso nem sei o tamanho do xingamento, pois vtnc ou svpfdp para mim são apenas letras. Existe ainda o galã do buraco que é aquele que diz “olá”, “de onde vocês são”, “boa sorte gatinhas” e por aí vai a cafonice.
Tem também o “chilique de tia” que é o carinha que abandona o jogo: “estou bravinho, poft, desliguei na sua cara, pronto, acabou, saí do jogo e deixei vocês, hahaha, fui embora e vocês não vão jogar, não vão jogar, la, la, la”, neste caso, basta esperar 30 segundos que outro jogador aparece, simples assim.
E ainda precisamos conviver com as piadinhas no chat do tipo: “fui no enterro errado, posso trocar o defunto?” ou “quem embaralhou estas cartas?” ou “eu dei as cartas certinho, saio de 100 pontos” se tornam brincadeiras muitos solitárias me transformando na doida da mesa. Ops, não era para confessar que sou eu quem faço isso.
Enfim, sinto saudades dos parceiros de buraco, aqueles parceiros bons que topam a jogatina até tarde, contando casos, brigando, rindo, chorando, roubando… e isso me faz pensar como as relações andam assim hoje em dia, a nossa vida anda um grande jogo de buraco de um site de relacionamentos. Ao invés de visitarmos nosso amigos a gente curte sua fotinho com o primeiro sorriso do seu filho ou o video da primeira sopinha de sua filha sem vivenciarmos com eles a experência em si. Me pego sentindo falta da tecla “curti” em diversos casos e situações, pois é mais conveniente existir o “curti”, é mais simples, assim como já senti falta do “command +z” na vida (mas aí seria assunto para 10 anos de terapia se eu acreditasse em terapia).

7 comentários:

Roberta disse...

Rê! Adoro jogar buraco, fiz isso no último dia do ano em familia, brigando e rindo horrores! E também sinto falta do contato, da convivência de se entender no olhar... A internet da a falsa impressão de proximidades, mas estamos ficando cada vez mais solitários.

Sinto saudades, das paqueras com olhos e sorrisos. Como sempre adorei seu texto.

Renatinha disse...

Obrigada Roberta,
Que bom que vc tb acha isso da internet... as vezes me sinto uma ET.... rs
beijo
Re

Cláudia disse...

eu AMO jogar buraco, com direito a roubar, fazer caras e bocas pro parceiro, chorar de raiva, comer porcaria a noite toda, jurar nunca mais jogar com fulano e na próxima vez, chamar o mesmo fulano para jogar consigo.
AMO!
Por isso que não gosto de videogame, não pode nada disso.
beijos

UrbAnna disse...

Re,
Eu adooooro jogar buraco (ou canastra, ou tranca)! E a minha família é viciada na jogatina... As reuniões de família quase sempre terminam na mesa de jogo! Não apostamos dinheiro nem nada, mas nos divertimos horrores jogando.
E brigamos, e damos risadas, e roubamos, e brigamos de novo, mas no final, independente de quem ganha ou perde, vai todo mundo pra casa feliz da vida e com a maior vontade de jogar mais!
Passei uma semana de férias na casa dos meus padrinhos em BH e jogamos todas as noites! É a nossa confraternização mais gostosa!!!
Não sou muito fã da internet para jogar não, acho que não tem a menor graça.
Beijo grande e bora jogar buraco!

Renatinha disse...

Clau, vamos marcar proximo encontro com buraquinho.... eba... vai ser divertidissimo... rs
beijo

urbANNA,
Vc tem que ir para sp jogar com a gente.... falta uma pessoa na mesa... rsrsrs
beijos
Re

Cláudia disse...

Re, fechado! Buraco aqui em casa no próximo after dark. Chamamos o tuga do boteco?

Fernanda disse...

E meu deu uma saudaaaade da minha avó...Aprendi a jogar buraco com ela, nas férias escolares, na praia. Eu, ela, a tia e as outras vovózinhas do condomínio me ensinando todas as táticas e malandragens das cartas...