sexta-feira, 16 de março de 2007

Minha menina

Tenho uma vira-lata nascida e criada no mangue. Achei ela no lixo, e desde que chegou em casa conquistou pelo seu jeitinho único de achar que é poodle, mas não é. Pesa 35kg, mas acha que pesa 35g. É loira, alta e quando passa na rua as pessoas a chamam de Gisele (por causa de uma modelo famosa…) eu como sou mais íntima a chamo de Gi, ou Rebeca, mas o nome é Peteka com K.
Apareceu na minha vida num momento complicado, quando eu morava em Recife e queria voltar para São Paulo, meses depois vim com ela de avião pra cá, passagem mais cara que a minha e fiquei 6 meses na casa dos meus pais enquanto ela crescia, e crescia. Virou menina do Morumbi. Pinta a unha no pet shop, usa lacinho, coleira pink e toma floral.
Apronta muito, faz bagunça o dia todo, é feliz. Mas quando eu chego em casa, ela se coloca de castigo quando sabe que estrapolou na bagunça ou me cobre de beijos se se comportou. O sofá de casa tem uma parte afundada que é o cantinho dela, o cantinho da princesa.
Já foi atropelada, mancou 10 segundos e voltou a andar, já teve babésia, mas sobreviveu, já teve ataque epilético, mas passou. É solidária, se encontra um cachorro pequenininho, deita no chão para não assustar.
Gosta de brincar de “dar bote” e fica feliz. Levo muitos “botes” desprevinida e vivo roxa e com dores pelo corpo por causa deles, me derruba na rua quando está emocionada e feliz demais, mas não ligo, pois na hora de dormir ela coloca a patinha dela em cima da minha mão e suspira.

14 comentários:

MH disse...

All you need is love...

Impressionante como, em pouquíssimo tempo, esses seres maravilhosos nos conquistam plenamente...

Gastón disse...

Re, vira-latas. Quem me conhece sabe o quanto eu amo bicho e o como um bom vira-latas me balança o coração toda vez que eu vejo na rua. Eles são agradecidos. Eles sabem que estariam ferrados e que a gente tirou eles daquela situação. São os melhores. E tem tantos por aí precisando de dono...

Ana disse...

Re
a Peteka é realmente uma figura, e um amor de pessoa, ou melhor, de cão. :)

Cláudia disse...

EU ADORO ESSES BICHOS!
Cada um com seu jeitinho de demonstrar o quanto gosta da gente: uns mais espalhafatosos, outros mais quietos, mas todos, absolutamente todos, sem exceção, preenchem um espaço enorme nas nossas vidas e só nos trazem coisas boas (mesmo que essas coisas boas venham disfarçadas de um chinelo comido, uma planta mastigada...)
beijo pra vc e pra Peteka!

Anônimo disse...

vc já leu Marley e eu!?
É lindo...

Re disse...

MH,
É impressionante como eles nos conquistam, né?

Gastón,
Já gosto de vc de graça agora... hahaha se eu pudesse tirava vários da rua...

Ana,
Ela é uma menina linda mesmo, né?

Claudia,
Sei que vc adora os bichinhos apesar da distruição que els causam... as vezes nos mata ver uma árvore da felicidade plantada pela avó do seu marido distruida em 40 segundos.... mas é a vida...

Anonymous,
Li sim... Pra falar a verdade não gostei do livro, achei meio bobo, mas mesmo assim chorei.... bjs

Lana disse...

O bom destes "bichinhos" é que eles nos ensinam a ter dignidade em enfrentar a vida: De cabeça erguida e orelha em pé (mesmo que muitas vezes com o rabo no meio das pernas). Afinal ninguem é de ferro!

Ana Flávia disse...

os viralatas são doceis d++
tenho uma e é tbm a aminha princesa!!!!!!

ta muito legal seu bolg bjs pra vc é pra Gi

Ana Carolina disse...

Achei mto interessante este post sobre a sua cachorrinha. Ela é mais vaidosa do que eu!!

Não que eu não seja vaidosa mas ela é igual a uma pessoa...

Bjinhos para ela =)

Aluna da Jeca

Anônimo disse...

Essa cachorrinha é danada?

Anônimo disse...

*Carol Passos*

Amei seu post, realmente um cachorro muda totalmente a nossa vida, eu por exemplo já tive uma vira - lata, chamada Pitu, mas ela faleceu com 1 ano e meio, não sei o por que, ela era tão saudável, pulava meu muro de 1 metro e 70 cm, levei ela no veterinário mas ele disse que não era nada, mas pouco tempo depois ela morreu, eu fiquei dias me lamentando do ocorrido, ela era meu xodózinho.Agora eu tenho uma Dálmata a Bebe, no começo ela também sofreu com a morte da Pitu, mas com o tempo ela se esqueceu do ocorrido.
Beijos.....

Re disse...

Lana,
É assim mesmo, a dignidade que eles tem é muito maior que de muito "ser humano" por aí... bjs

Ana Flávia,
Que bom que os viras são tão queridos. Volte sempre! Obrigada por gostar do blog. bjs

Aluna da Jeca,
Ela é vaidosa sim.... mas quando coloco perfume ela odeia.... adora ser fedida mesmo.... ;)

Carol,
Hj tenho a teka e um cocker o Fuka, que ainda não tive como escrever sobre ele, pois ele é mais que especial, tenho medo que quando um morrer o outro fique em depressão e vá junto. Independente da raça a gente ama muito esses peludos. Meu sonho é ter uma dálmata... Ô raça fofa.... bjs

Renata disse...

Rê, xará, estou aqui pela primeira vez, vinda do Julis, e esse post me deixou emocionadíssima. Porque assim como você, eu também amo meus caezinhos loucamente. Eles são meus filhos, já que ainda não tenho os de verdade. É incrível a capacidade que esses pequenos (os meus são 3 cofapinhos) seres têm de me alegrar, me motivar e me fazer sorrir. Eu os amo loucamente e não sei o que seria a minha vida sem eles.

Adorei seu blog, vou bater sempre nessa porta, ok?

Bjos.

Re disse...

Oi xará.... bem vinda... ainda mais sendo amiga do Julis e amando os peludos.
Volte sempre.... bjs