sexta-feira, 15 de junho de 2007

Ó Terezinha

Quando era bem criança, adorava a Discoteca do Chacrinha. Sempre assistia, não perdia um. Adorava quando ele jogava bacalhau na platéia e dava o “troféu abacaxi”.
Gostava de tudo no Chacrinha, principalmente dele.
Assistia na casa da minha tia Helena e comecei a perceber que meu tio Antônio chegava sempre que acabava o programa.
Passei a desconfiar da dupla personalidade do meu tio, e insistir que ele era o verdadeiro Chacrinha. Comecei a reparar na semelhança entre eles e me convenci: meu tio Antônio era o Chacrinha e nada ia tirar isso da minha cabeça.
Ele passou a entrar na brincadeira e já chegava em casa contando coisas do programa me levando abacaxis… e tal.
Mas um dia ele fez o melhor presente que alguém já me deu.
Se vestiu de Chacrinha e chegou em casa totalmente caracterizado, quando abri a porta da casa da minha tia e o vi, foi a maior emoção, eu só falava para todos: - Não disse que ele era o Chacrinha? Não disse…
Tenho este “video” gravado em super 8 e assisti-lo, me traz muitas recordações, ainda mais que meu tio morreu meses depois disso. Era bom este dom dele em me alegrar e me mimar.

3 comentários:

Cláudia disse...

ah que delicia!
há que se ter senso de humor suficiente para fazer isso, além de muito carinho, apenas para que você tivesse certeza de que ele era o Chacrinha.
beijo

Pinho disse...

Mas afinal pq ele sumia na hora do Chacrinha??

Re disse...

Pinho, não é que ele sumia, é que era a hora dele voltar pra casa, sei lá, depois da pelada, ou do trabalho.... vai saber agora 30 anos depois.... vi lembrar... hahaha bjs Re