quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Velhos carnavais

Me lembro de muitos carnavais. Alguns no clube militar do Rio, onde vestíamos incríveis fantasias. Sempre Carnaval no Rio tinha que ter fantasia, já fui Jane do Tarzan, baiana, bailarina… Era muito gostoso o antes do carnaval os preparativos da fantasia, as matinês, onde o mais legal era pegar confete e serpentina para jogar nos outros. O samba batucando lá em cima e a guerra de confetes nos divertindo na pista. Lembro do carnaval do Flamengo, é já passei por isso apesar de ser vascaína, o baile do vermelho e preto, lotado de crianças flamenguistas, mas era feliz.
E os blocos de rua? Que delícia, minha mãe ia comigo e minha irmã atrás de blocos, o da Sá Ferreira, a banda de Ipanema, alguns outros que passavam na rua e íamos atrás com nossas fantasias.
Ficávamos antes do carnaval, picando papel para jogar pela janela quando algum bloco passasse, estávamos lá de prontidão, era tão divertido. Juntávamos muitos papéis para picar, começávamos a juntar meses antes os papéis velhos, era um tipo de reciclagem dos anos 70.
Na adolescência, carnaval era em Iguaba, região dos Lagos, com a Lani e a Rê. Toda noite era a mesma coisa, nós lá sambando até acabar o baile, nesta época nem bebíamos, só sambávamos mesmo. Era maravilhoso, a bateria da União da Ilha, os sambas sabíamos de cor. Éramos as mais animadas dos bailes. A noite no samba e de dia na praia, assim foi por muitos anos.
Aí inventamos de desfilar, e desfilamos com vontade, alguns anos. Treinávamos, endividamos nossos pais para pagar as fantasias e aparecíamos lindas na avenida, sonhando que seríamos destaque algum dia e sair da vida de samba no pé no asfalto.
Depois foi a época onde o carnaval perdeu a graça, vieram os namorados e acho que existe uma lei que proibe os comprometidos de serem felizes.
Este carnaval, passei em casa com meus cães, para manter a tradição, fantasiei eles de havaiano, eles saíram todos felizes pelas ruas com seus colares causando inveja nos outros cachorros, assim como quando eu era criança e aposto que todos queriam as minhas lindas fantasias.
Por um carnaval queria de novo que minha mãe me levasse pelos blocos. Me mostrando de novo, como carnaval é legal, é bom sambar, ser feliz por 4 dias. Queria este ano em muitos momentos ter 4, 5 anos e estar de baiana, pegando confete no chão e jogando nos amiguinhos, queria estar cantando marchinhas e ouvindo “Bandeira Branca”, sinal de que o baile ia terminar, era a penúltima música, pois sempre, sempre termina com “Cidade Maravilhosa”.
Prometo voltar as raízes no próximo carnaval. Promessa de carnavalesca.

7 comentários:

Cláudia disse...

Tentei fantasiar a Cindy com uma fitinha, mas ela não deixou...

Re disse...

Clau,
Estes gatos.... sempre ditando as regras...
bjs
Re

Luna disse...

Também passei o carnaval com meus cachorros. Só que não tive a idéia de fantasiá-los! Fica para a próxima!

Até que você tem bastante histórias de carnaval, eu nunca gostei...

Re disse...

Luna,
Fantasia eles.... ficam tão lindos ano passado foi de palhacinho.... e antes de caipira.... existem mil fantasias fofas.
Volte sempre.
bjs
Re

Pinho disse...

deixa eu entender.
vc ficou sozinha em casa e fantasiou os cachorros????
Re vc precisa sair de casa urgente mente, isso esta ficando perigoso rsrsrrsrs

mc disse...

gostei q vc mostrou o lado inocente do carnaval, sem a putaria que é hoje em dia. Esse clima é muito gostoso!

Re disse...

Pinho,
Perigoso seria ficar em casa sem eles.... Com eles a vida é feliz.
bjs

MC,
Carnaval para mim sempre foi assim, muito samba e nada de putaria. Esta era a melhor parte da inocência dos velhos carnavais...
bjs
Re