segunda-feira, 19 de maio de 2008

Pai,


Que dia nós tivemos, hein?
Começou ontem, quando fui te ver no hospital. Falei tanto e você só me olhava. Falei tudo o que nunca havia dito. Acho que foi a nossa despedida. O nosso olhar foi cúmplice da nossa tristeza.
Depois, veio o telefonema que nunca queríamos ter recebido. Eu e Dea, lá, sentadas na ante-sala da UTI perdidas. Não perdemos um pai. Perdemos um ídolo. Tentamos escolher tudo certinho, do jeito que gostaria. Mandamos chamar seus melhores amigos. Amigos que foram sua família de verdade durante estes 28 anos em São Paulo.
Mas, o pior, foi te ver lá, deitado com seu suspensório novo. Já sinto saudades do seu "oi amoreco" seguido do meu "oi paizão". Sinto saudades de te ver no seu cantinho de sempre, no seu computador, se exibindo no seu novo macintosh que nem sabia usar.
Mas tudo foi lindo hoje. Muitas, muitas pessoas. Todas dizendo o quanto a sua alegria de viver era nítida. Todos contando e repassando suas histórias, como você gostaria de ver, relembrando sua vida cheia de fantasias.
Um menino grande, um grande contador de histórias, um grande mestre, um grande engenheiro de minas... Cada um lembrando você de uma maneira.
Fomos para o crematório, como você queria, virar cinza.
Colocamos suas músicas preferidas na cerimônia, mas a que mais me lembrou você foi "Mais que nada". Me fez ver você lá em casa, saindo do banho e cantarolando ela. Você saía tão perfumado. Era a mesma música que você cantava quando roubava no buraco, quando cozinhava... Tão gostoso foi ouví-la e ver todos em silêncio. Ninguém precisava dizer mais nada. Só queríamos te ouvir mais uma vez.
Teremos agora um longo caminho pela frente sem você, sem a nossa maior alegria.
Só queria mesmo que você se lembrasse do que te falei no nosso último encontro. "Obrigada por ser meu pai. Você fez tudo certinho. E enquanto eu viver, sempre irei repassar suas histórias para frente. Pois todas elas foram reais na sua imaginação."
E como bem te conheço, você quis nos assustar, foi embora no mesmo dia que seu pai se foi e que seu avô também. Nada na sua vida foi comum, não seria na sua morte que seria.
Prometemos jogar as suas cinzas nos dois lugares que você mais amava: em uma pedreira e em uma praia. Assim você será para sempre o meu engenheiro de minas e meu menino bronzeado, pescador de histórias.
Por fim, fomos jantar. E alguém falou: "Aposto que agora ele está contando para alguém que aprendeu a nadar com seu cavalo aos 6 anos de idade".
Rimos muito. Choramos muito. Pois falta algo. Falta você.
Vai com São Benedito, meu pai Dito.
Beijos de sua
Corujinha

PS. foto Benedicto Hadad Cintra

23 comentários:

Mulher Solteira disse...

Rê...

Minha mão segura a sua, querida.

Um beijo muito, muito carinhoso.

Cris.

heleninha disse...

fiquei emocionada com esse post, rê...
queria ter me despedido...
gostava muito dele e sei que ele gostava muito de mim também...
agora ficam as saudades e as boas lembranças...

muitos beijos.

ANNA disse...

Re,
Perdas são difíceis e nada que eu possa dizer aqui vai amenizar a sua dor, a sua saudade...
A dor vai passar em breve, mas a saudade vai estar sempre presente, e ainda bem né?
Sentir saudade de uma pessoa como seu pai deve ser uma delícia, lembrar as histórias de uma vida tão plena e fazer parte dessas memórias e histórias deve ser ainda melhor.
Agora ele vai poder admirar a sua própria obra (vc, sua irmã, a família num todo)lá de cima e ter a certeza de que ele fez um excelente trabalho. Não te conheço a muito tempo, mas estou certa de que ele vai só ter orgulho de vc!

Queria poder te dar um grande abraço pessoalmente, mas como não é possível, sinta-se "apertadamente" abraçada.
Beijo,
(urb)Anna

Cláudia disse...

Eu penso que são as boas lembranças que ajudam a superar a dor e a saudade. E você, pelo visto, tem uma montanha delas.
Como já te disse por email, fique à vontade para me chamar, se isso te fizer sentir melhor de alguma maneira.
beijo

Virgínia disse...

Seu texto me fez lembrar do meu pai. Ele saiu em uma missão num sábado para voltar na semana seguinte e nunca mais voltou... isso faz quase 12 anos. Não tive tempo de dizer o quanto o amava, não pude dizer que ele era meu ídolo. Quando a gente é adolescente dizer essas coisas é motivo de vergonha.
Vou te dizer, a dor não passa! Só alivia... (só de escever isso estou chorando)Mas isso não quer dizer que nossa vida não segue. Ainda sonho com ele como se ele ainda estivesse aqui. Ainda penso nele quase todos os dias. Mas com a tempo a gente se acostuma...
Sinto muito! Bj

• keL • disse...

Sweety,

Sinta o meu abraço bem apertado dizendo que ele foi "o" cara!
O vi uma vez, e me pareceu extremamente real tudo o que vc disse, e me deu um aperto enorme saber que ele não estaria mais lá, onde eu o vi naquele dia, no seu cantinho do lado do computador, me mostrando seu mouse novo de fusquinha.
Ele com certeza deve estar com toda aquela alegria, rindo muito das historias dele, e agradecendo demais por saber que tem uma filha e uma família linda como vcs são.
Conte comigo pra qlq coisa.
beijo grande
kel

mc disse...

Que homenagem mais linda...
Sinto muito, muito mesmo.
um beijo grande.

Pitsa Molodói disse...

Olha... não te conheço e nem a seu pai... mais sua mensagem é linda e eu sinto muito pelo ocorrido...
As coisas às vezes são assi... espero que você e sua família supere toda a dor e fique só as lembranças boas ...
Bjs

Bibis disse...

Re, anjos são assim msm: passam pela Terra, transformam a vida de algumas pessoas especias e depois partem deixando saudades e boas lembranças! Não conhecia seu pai e nem conheço vc, mas chorei mto ao ler sua homenagem e posso imaginar a dor que está sendo. Força, minha querida! Ore e peça ajuda que tudo se resolve, a saudade fica, mas a dor passa e ele estará mais feliz ao ver que vcs que ficaram não sofrem mais...
Fique com Deus!
Beijos iluminados!

Flávia D. disse...

Re!
Te dou um grande e forte abraço e desejo muita força nesse momento.
Ele, de onde estiver, vai continuar cuidando de você. Tenho certeza.
Força, muita força.
bjão

Amarilis disse...

Re, esse seu amor de filha delicado e poético, enternece, quebra a minha casca, convida a beijar e abraçar as pessoas queridas. Desejo que você e sua irmã fiquem bem, que afaguem uma a outra no mundo real, enquanto a gente fica aqui, tentando chegar mais perto na virtualidade. Tem horas que a vida golpeia duro, mas em outras nos presenteia. Deixe o tempo mostrar. A saudade é o outro nome para o amor que não morre nunca. Um abraço apertado.

Ana disse...

Re
sinto muito, muito, aqui dentro, por isso tudo. A morte é uma coisa muito besta, e ninguém no mundo deveria sentir essa dor...
Fiquei muito triste, tinha um carinho pelo seu pai mesmo sem conhece-lo, so pelas coisas que vc contava e pela foto que vc colocou aqui no blog.
Conte comigo, sempre, sempre.

Flavia Coradini disse...

Nossa, este texto é lindo. Nem sei o que dizer. Mas também para que se você disse tudo?
Você é muito especial. Não é preciso nem te conhecer para saber disso.
Força para você, de coração.

Pri... disse...

Sinto muito... Uma perda como essa... Sempre é difícil encontrar palavras q nâo caiam no lugar comum. Claro q a saudade fica. As lembranças te acompanharão. Mas o privilégio da convivência, da despedida e da capacidade de escrever esse texto lindo são de se admirar! Q o seu coração encontre um lugar para acomodar a perda. E obrigada por me fazer transbordar de amor pelo meu pai ao ler suas palavras.

Re disse...

Nem sei por onde comecar a agradecer o carinho de todos....
Obrigada Cris, Paula, Prima Helena, urbANNA, Ana, Kel, Claudia, Virginia, MC, a MH, bibis, Flavia, Amarilis, Pri..
A dor vai demorar para passar, mas este apoio virtual ameniza bastante.
Obrigada pelo cuidado, atenção, orações....
Obrigada pelos choros solidários, pelos dedos cruzados.
beijos
Re

LindaRê disse...

E que realmente ele esteja lá contando suas histórias enquanto vcs contam aqui, desse maneira linda.
Lindo post, linda despedida.

Força pra vc, em tudo.

Beijos

ANNA disse...

Re,
Um beijo e um abraco muito apertado para vc!

Dedinhos Nervosos disse...

Oi Rê.
Estive em SP nesses poucos dias de férias e lembrei de vc. Todos os dias, às vezes mais de uma vez ao dia, abro seu blog a procura de uma boa história. E a última notícia que tive foi que seu pai estava doente. Depois que viajei, só voltei aqui hj e fiquei muito triste com seu novo post. Muito triste mesmo. Ainda bem que além da saudade, ele deixou muitas lembranças maravilhosas para você guardar. Que Deus ilumine a você e a toda sua família. O beijo é virtual, mas esse desejo é a mais pura realidade.

vivi disse...

Rê,
Que lindas palavras as suas...
Demonstra sua tristeza mas, acima de tudo, demonstra seu grande amor pelo seu pai.
Eu sinto muito por você...
Mas acredito em transformação e sei que vc também acredita...enquanto a transformação ocorre, você, mais que eu, sabe que o amor é eterno e o fluido do amor está sempre presente...
Fica com Deus...Deus abençoe sua família inteirinha...
Um beijo e um abraço apertado de amiga...

Zagaia disse...

Tô acabado... Bom, assim, tem horas que é melhor não dizer nada... Te espero pra um abraço. Bjo

Renata disse...

Rê, não gosto nem de imaginar sentir o que vc está sentindo agora. Só desejo que a belas lembranças sejam combustível pra vc tocar sua vida com a mesma alegria que ele parece ter tocado a dele.

Bjos.

Karlinha disse...

Nossa!Me emocionei!
Meus pesames!!!

Anônimo disse...

tá.. faz 8 anos que vc se foi ... mas nosso comprometimento não se foi ... muitas saudades de vc Cintra.. a Du Pont não te deu o devido valor.. vc tinha que ter um troféu de todos os adjetivos bons que a lingua portuguesa guarda ! CARATER ! fica a saudaddes ..muitas !!
Branca