segunda-feira, 22 de junho de 2009

Saudades do mundo sem Aquecimento Global

Tenho sardas. Muitas. Era tão bom ir pra praia bem cedo, íamos toda a família, munidos de água, comida, frescobol, baldinho, vara de pescar, ficávamos o dia todo lá no Recreio dos Bandeirantes, bem farofeiros mesmo, sem nos preocupar com filtro solar, boné, câncer de pele, camada de ozônio, o que é isso mesmo? Lá pelas 5 da tarde, depois de muito sol, meu pai sem prescar nenhum peixe, colocávamos a camiseta para cobrir os ombros roxos de sol e era hora de voltar pra casa, comprar “Solarquene”. E assim eram as férias em família. Praia, sol, muito sol, sempre.
Até nos mudamos para São Paulo, eu jurava que minha mãe era mulata. Mas com o tempo, a consciência, o aquecimento global, fui vendo que minha mãe não era mulata, meu cabelo não era aloirado, minhas sardas nunca mais sairiam, nem quero que saiam, pois cada uma delas traz uma recordação, de um típico verão dos anos 80 onde não existia camada de ozônio.

13 comentários:

Dedinhos Nervosos disse...

Nossa!!! Semana passada estava vendo uma foto da minha família numa farofada assim! Gente, quanta comida, quanta farra, quanto sol! Eu tb sou cheia de sardas e adoro cada uma delas. E tb tenho saudades de quando não precisávamos armar uma tenda para pegar um solzinho. :o(
Beijos!

Roberta disse...

i me deu saudades das minhas praias sem guarda sol também... agora até pra usar computador tenho que passar filtro solar..aff...

beijos Re!

IsABela araÚjo siLVA disse...

Eita saudade gostosa hein Rê! Isso é que é vida, ter boas lembranças na caixola.

Cláudia disse...

Esses dias minha irmã me pediu pra eu escrever um post sobre as idas farofentas à praia do Forte do Rio Branco, em Niterói, todo fim de semana batendo o ponto lá.
Em que a gente ficava o dia todo dentro da água, com a pranchinha de isopor, a cara cheia de noskote em volta dos olhos e no nariz. E voltava pra casa com a barriga e as coxas assadas de arrastar no isopor.
Para sorte da minha mãe, que é muito branquinha, a praia tinha umas castanheiras enormes então ela ficava na sombra, mas a gente torrava no mar o dia todo.
Tirando pai com vara de pescar, que o meu não pescava, a descrição do seu dia na praia é exatemente o post que eu escreveria!
Delícia não?
beijo

Daniel Ribeiro disse...

Em primeiro lugar, sardas são extremamente charmosas e sexys..eu pelo menos acho.
Também tive a sorte de ter férias como a que você teve. Lembro de entrar na água e ficar lá..de bobeira horas e horas. Saía com a boca salgada, tomava duas ou três raspadinhas, comia um milho e voltava pra água....claro, sem protetor. Depois, a noite, passava um creme cor de rosa que eu esqueci o nome. Bons e inesquecíveis tempos.

bjus

Renatinha disse...

Dedinhos,
Aí no Vitória então o sol devia judiar, né? Saudades de vc... Li sim e pedi de novo o endereço do moço para uma outra pessoa... Vc tem talento moça.... cruza os dedos.
beijos

Roberta,
hahahaha Eu também uso protetor até para acordar... socorro!
beijos

Isabela,
Boas lembranças não tem preço, né? E vc? por onde anda? beijos

Clau,
Niterói? hahahah era farofada mesmo!!! clássica!!! Que bom que vc gostou do post e se identificou, acho que por isso que gostamos uma da outra, temos as mesmas farofas no passado....rs
beijo

Daniel,
Eu lembro deste creme cor de rosa...hahaaha e deitar na banheira com maizena? Ai, ai, ai, porque fazíamos isso com a nossa pele, era sofrido, mas era tão legal...
beijos
Re

Bianca disse...

Aaaai, tb me deu saudades das farofadas da família Bianchi em Peruíbe, aiiiii pq vc foi escrever esse post? =(((((((( buááááá hehehe Bjs Bibis

Cláudia disse...

Niterói, Re, morei lá dos 3 aos 11 anos de idade! Ou seja, praia todo fim de semana, dia inteiro!
O creme rosa, nosso velho conhecido, é o Caladryl, que também servia para picadas de inseto e outras coisas - se duvidar, antigamente fazia-se Bicho de Pé usando Caladryl pra dar o tom de rosa do doce... rs
beijo

Let´s disse...

Saudades das minhas férias no Guarujá qdo ainda era tranquilo. Usava copertone para ficar ainda mais negona e tomava picolé da Yopa. Ah, anos 80 que não voltam mais...
Bjos!

D.Ramírez disse...

Infelizmente os que deveriam mesmo tomar cuidado com a Terra não estão nem ai. Nós que tememos e até tentamos ajudar de certa forma, de nada adianta...

besos

Renatinha disse...

Bianca,
Toda família teve seus anos 80 farofeiro... Relembrar é bom.... rs
beijo

Clau,
Caladryl... lembro até do cheiro dele... rsrsrssr
beijo

Let's,
Yopa? e gelato? rsrsrs
beijos

Ramirez,
Vc por aqui? Pois é... o mundo se aquecimento global, não volta mais, mas temos que manter o pouco de dignidade que resta, né?
Apareça...
beijos
Re

ANNA disse...

Re, eu tb sou do tempo em que passava as férias na praia sem protetor solar... passava o dia inteiro no mar... nos últimos dias de férias tinha que ir para a praia de camiseta para não queimar ainda mais... ardia um bocado, mas minha pele não se acabou por conta disso! Vai fazer isso hoje pra ver!!!

Estou voltando, querida. Estava de férias e, propositalmente, nem liguei meu computador neste período!

Beijo
urbAnna

ANNA disse...

Ah... Saudades de vc, dos seus textos, do seu bom humor!
Beijão
urbAnna