sexta-feira, 19 de março de 2010

A última vez


É, hoje você faria 72 anos. Lembro do seu aniversário de 70, fingimos que não seria nada demais, apenas um almoço no shopping, você acreditou, te dei a trilogia dos Piratas do Caribe, você olhou torto e trocou pelo Lost no mesmo dia. No dia seguinte fizemos sua festa surpresa, que surpresa para você. Acreditava que ia pagar almoço para todos no Rubayat, vieram muitos amigos, foi especial.
Veio o tio Paulinho do Rio, Clarinha te deu um livro de extra-terrestres que você ia adorar ler, Americo chegou cedo com a esposa, veio aquele homem de nome e sobrenome, você ficou todo orgulhoso, a família toda do Rio e a gente de casa. Você estava tão feliz. Lembro da roupa que usou, uma camisa listrada azul, lembro da roupa que usei, um vestido cinza, a sua cara de susto com a festa e se para você homem não chora, você choraria, eu quase chorei, mas eu sou manteiga derretida, choro por tudo. Era sábado de Aleluia. Aleluia. Eram seus 70 anos, e quem diaria que o último aniversário seu com a gente.
Sou muito esquecida, mas lembro de cada dia que se passou depois disso. Lembro do último presente que você me deu, um bichinho de pelúcia, feio que só ele, que ganhou de brinde no mercado. A cachorrada destruiu ele, e mesmo assim eu guardei com tanto carinho, por tanto tempo como se fosse uma jóia. Ah! E nosso último almoço juntos? Você fez um robalo, o melhor robalo que já comi, tavez eu nunca mais coma outro, pois o gosto daquele está ainda na minha memória.
A última vez que te vi acordado, no hospital, você na UTI, se recusava a deitar na cama, "quem deita na cama morre", você dizia, te ajudei a tomar sopa, fiquei zoando sua camisola florida, quando fui embora olhei para trás, me deu vontade de voltar correndo e te dizer que te amo, mas você estava com dificuldade para respirar e fui embora. Nossa última troca de olhar foi assim, sem saber se ela seria tchau, até logo, adeus, até breve, nunca saberiamos.
E hoje no seu aniversário, penso em quantos últimos momentos vivemos na vida sem saber que são últimos, sem saber que jamais viveremos aquela situação com aquela alegria, com aquela paz de saber que tudo está onde devia estar, no seu devido lugar, tudo está como conhecemos, como a vida devia ser, sem perdas.
Depois que você se foi, não sei mais como a vida deveria caminhar, que rumo ela deveria tomar, que bifurcação pegar, só sei que caminho, tento caminhar com as últimas lembranças suas.

19 comentários:

Pri disse...

Que texto lindo, Re!!! Tão bom ter todas essas lembranças e relembrar com carinho e saudade. Ser lembrado e ter sido tão amado é a melhor homenagem, o melhor presente! Fique bem. Beijos!

Isa disse...

Sem palavras...nó na garganta...

Ana disse...

Lindo Re.. e eu que acordei com tantas saudades hoje, chorei.

Anônimo disse...

Lindo texto. Parabéns.

Bibis disse...

Nó na garganta mesmo... principalmente qdo eu lembro que faz 5 meses que não falo com meu pai, nem olho pra cara dele... vontade de pedir perdão, na verdade, de perdoar... mas o orgulho n deixa... por enquanto. Quem sabe...
Texto lindo! Fica com Deus!
Bjs

Anônimo disse...

Me emocionei e deixei rolarem as lágrimas!
Peixe Grande!
Beijo, Re!
Paula Nigro

Renata Marques disse...

meu Deus, chorei pencas...
não gosto nem de pensar nesse dia...
mas depois do seu texto vou me lembrar de curtir o meu ainda mais.

o bom, Rê, é que vc sabe, né? Ele tá com vc o tempo todo, te dando amor.

bjo!

Joseph disse...

Que maravilha de texto. Foi a homenagem mais bonita que vi neste dia.
Fique bem.

Manusen disse...

ai, que nozinho na garganta *-*
que bonito isso, parabéns!

Cláudia disse...

Re, atrasado, mas feliz aniversário para o seu pai, que continua comemorando muito porque você o mantém sempre vivo com suas lembranças carinhosas e felizes.
beijo

Ana Paula Britto disse...

Oi Rê!
Lindo...
Beijo grande

Vivi disse...

Quanta emoção, Rê...
Chorei com você...
E é muito bonito ver o quanto seu pai está vivo em você!
E da mesma forma, vc está viva nele...pois certamente ele recebe seu amor, esteja ele onde estiver...
Beijos!
Vi

Roberta disse...

eu sempre choro nas postagens sobre seu pai.. talvez porque sinta a mesma dor, mas em relação ao meu avô.

beijos!

Dedinhos Nervosos disse...

Rê... tô aki cheia de lágrima nos olhos e nem ligo que estão escorrendo. Fica com Deus!
Beijos!

UrbAnna disse...

Faço minhas as palavras da Vivi...
A ligação de vcs é tão forte que nada, nem ninguém pode abalar, nem tempo, nem distância, nem nada.
E isso é essencial!

Beijo minha amiga querida,

Anônimo disse...

Re, lindo seu texto. É claro que eu tb fiquei com nó na garganta até pq eu também perdi meu pai. Sei dessas últimas lembranças, da saudade que dói. Ainda hoje carrego um porta moedas dele na minha bolsa, que já nao carrega mais nada, mas é um pouco dele comigo. Fique bem, beijo grande, Caro

disse...

lindo seu texto, passei por uma situação bem parecida. Impossivel nao chorar com seu texto. Meu pai também se foi faz 5 anos. Ainda lembro de muitas coisas, principalmente quando estava na UTI.

Amélie™ disse...

Perder. Perder é doloroso demais. Não nascemos para isso, mas a vida é um eterno 'ganha e perde'. Perder um familiar não é nada fácil. Dói na alma, eu bem sei.
Lindo texto.
Bjs.

Anônimo disse...

Nossa!!!! tocou fundo no meu coração, senti falta do meu grande pai e amigo que também já se foi.
Lindo e doce o texto vrei fã